quinta-feira, 31 de agosto de 2017

A próxima missão da NASA a Marte em 2018 irá perfurar o solo do Planeta Vermelho !

próxima missão da NASA a Marte em 2018
Técnicos suspendem uma parte da sonda InSight para testes na Lockheed Martin em Littleton, estado do Colorado. NASA/JPL-Caltech/Lockheed Martin

A sonda InSight vai mergulhar profundamente no subterrâneo marciano, empurrando dois instrumentos abaixo da superfície que irão retirar as informações das profundezas.

O que há embaixo da superfície em Marte? A próxima missão da NASA tem como objetivo descobrir. O projeto InSight, a primeira missão da NASA para estudar o interior profundo do Planeta Vermelho, está em andamento para um lançamento em 2018, depois de ter demorado dois anos devido a uma questão técnica. Os cientistas esperam que isso ajude a explicar a formação de planetas rochosos, inclusive do nosso.

A InSight deverá ser lançada em algum momento nas cinco semanas após 8 de maio de 2018, com um curso traçado para sua chegada logo após o Dia de Ação de Graças (novembro). A Lockheed Martin Space Systems construiu a nave espacial da missão – uma sonda estacionária que será posicionada perto do equador marciano – e atualmente está sendo testada em uma instalação perto de Denver.

“A sonda está completa e os instrumentos foram integrados a ela para que possamos completar os testes finais da nave espacial, incluindo acústica, implementações de instrumentos e testes de balanço térmico”, disse Stu Spath, gerente de programa espacial da Lockheed Martin, em um comunicado.

Enquanto muitas missões visaram Marte nas últimas duas décadas, os jipes-sondas, sondas orbitais e de pouso envolvidos concentraram-se na superfície do planeta vermelho, examinando recursos como crateras, rochas, regolitos (solo) e vulcões.

Ao contrário de qualquer missão que a precedeu, a InSight irá mergulhar profundamente no subterrâneo marciano, empurrando dois instrumentos aproximadamente três a cinco metros abaixo da superfície, que transmitirá a informação das profundezas marcianas. 
Renderização artística da sonda InSight. NASA / JPL-Caltech

O primeiro é um sismômetro cujo desenvolvimento foi liderado pela agência espacial francesa CNES em colaboração com vários outros países, inclusive os EUA. O aparelho é suficientemente sensível para detectar movimentos terrestres que são apenas metade do diâmetro de um átomo de hidrogênio, e seu principal objetivo é gravar “martemotos” (ondas sísmicas) ou impactos de meteoros, o que ajudará a revelar informações sobre as camadas internas de Marte.

O segundo é uma sonda de calor que pode penetrar a pelo menos três metros na superfície para medir a quantidade de energia que vem do interior do planeta.

O objetivo é aprender melhor como se formaram planetas terrestres como Vênus, Terra e Marte. Marte dá uma vantagem especial a este tipo de investigação porque, ao contrário da Terra, as placas tectônicas (que geram terremotos, entre outros fenômenos) não parecem estar ativas no planeta.

“Devido o fato do interior de Marte tem revirado muito menos do que a Terra nos últimos três bilhões de anos, Marte provavelmente preserva a evidência sobre a infância dos planetas rochosos melhor do que o nosso planeta natal”, disse Bruce Banerdt, investigador principal da InSight no Laboratório de Propulsão a Jato da NASA na Califórnia .

O terceiro componente experimental principal do projeto usará transmissões de rádio entre Marte e Terra para investigar mudanças em como o Marte gira em seu eixo. Isso poderia revelar informações sobre o tamanho do núcleo do planeta vermelho.

Quando uma missão para Marte é adiada por mais de algumas semanas, é preciso esperar mais 26 meses para o lançamento. Isso ocorre porque há somente um curto período a cada 6 meses onde as órbitas da Terra e do Marte trazem os dois planetas em uma posição favorável para o lançamento da nave espacial – o que economiza combustível e tempo de viagem na nave espacial.

A demora de 26 meses da missão InSight veio em parte devido à geometria orbital, bem como a uma questão técnica. A NASA cancelou o lançamento previsto de março de 2016 após descobrir um vazamento em um recipiente que envolve os principais sensores do sismômetro; o recipiente deveria manter um vácuo próximo a esses sensores. Uma nova embarcação a vácuo foi entregue em julho e instalada.

“Corrigimos o problema que tínhamos há dois anos, e estamos ansiosamente preparando o lançamento”, disse Tom Hoffman, gerente de projeto da InSight no JPL

Fonte: http://ovnihoje.com/2017/08/29/proxima-missao-da-nasa-a-marte-em-2018/

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...