sexta-feira, 10 de julho de 2015

Novo rastreio enorme irá ajudar a compreender a matéria escura

Foram divulgados os primeiros resultados de um novo rastreio importante de matéria escura no céu austral, levado a cabo pelo VST (VLT Survey Telescope) do ESO, montado no Observatório do Paranal, no Chile.
O projeto, chamado KiDS (Kilo-Degree Survey), faz uso de imagens do VST e da sua enorme câmara, a OmegaCAM, para analisar mais de dois milhões de galáxias. A equipa KiDS estudou a distorção da radiação emitida por estas galáxias, a qual se curva quando passa através de enormes nodos de matéria escura no seu percurso até à Terra. Os resultados obtidos através do efeito de lente gravitacional mostram que estas galáxias contêm cerca de 30 vezes mais matéria escura que matéria visível.
Na imagem à esquerda podemos ver um grupo de galáxias mapeado pelo KiDS. À direita vemos a mesma área do céu, mas com a matéria escura invisível mostrada a cor de rosa.
Crédito: Colaboração KiDS/A. Tudorica & C. Heymans/ESO

Foram divulgados os primeiros resultados de um novo rastreio importante de matéria escura no céu austral, levado a cabo pelo VST (VLT Survey Telescope) do ESO, montado no Observatório do Paranal, no Chile. O rastreio KiDS do VST permitirá aos astrónomos fazer medições precisas de matéria escura, da estrutura de halos de galáxias e da evolução de galáxias e enxames. Os primeiros resultados KiDS (Kilo-Degree Survey) mostram como é que as características das galáxias observadas são determinadas pelos enormes nodos de matéria escura invisível que as rodeiam.

Cerca de 85% da matéria do Universo é escura e de um tipo que não é compreendido pelos físicos. Embora esta matéria não brilhe nem absorva radiação, os astrónomos conseguem detetá-la através do efeito que tem sobre estrelas e galáxias, particularmente devido à sua atração gravitacional. Um projeto importante que utiliza os telescópios de rastreio do ESO acaba de mostrar de modo extremamente claro a ligação entre esta misteriosa matéria escura e as galáxias brilhantes que observamos de forma direta.

O projeto KiDS faz uso de imagens do VST e da sua enorme câmara, a OmegaCAM. Situado no Observatório do Paranal no Chile, este telescópio dedica-se a mapear o céu noturno no visível — sendo complementado pelo telescópio de rastreio infravermelho, o VISTA. Um dos objetivos principais do VST é mapear a matéria escura e utilizar estes mapas para compreender a misteriosa energia escura que faz com que a expansão do Universo esteja a acelerar.

A melhor maneira para descobrir onde é que se encontra a matéria escura é utilizar o efeito de lente gravitacional — a distorção do tecido do Universo devido à gravidade, a qual deflete a radiação emitida por galáxias distantes que se encontram muito para além da matéria escura. Ao estudar este efeito, é possível mapear os lugares onde a gravidade é mais forte e, portanto, descobrir onde é que a matéria, incluindo a matéria escura, se encontra.

Fazendo parte da primeira remessa de artigos científicos, a equipa internacional de investigadores KiDS, liderada por Koen Kuijken do Observatório de Leiden, na Holanda, utilizou este método para analisar imagens de mais de dois milhões de galáxias, a cerca de 5,5 mil milhões de anos-luz de distância. A equipa estudou a distorção da radiação emitida por estas galáxias, que se curva ao passar por enormes nodos de matéria escura no seu percurso até à Terra.

Os primeiros resultados vêm de apenas 7% da área total do rastreio e concentram-se em mapear a distribuição de matéria escura em grupos de galáxias. A maioria das galáxias vivem em grupos — incluindo a nossa própria Via Láctea que faz parte do Grupo Local — e compreender quanta matéria escura é que contêm é um teste crucial à teoria de formação de galáxias na rede cósmica. Os resultados obtidos através do efeito de lente gravitacional mostram que estes grupos contêm cerca de 30 vezes mais matéria escura que matéria visível.

"O mais interessante é que a galáxia mais brilhante encontra-se quase sempre no meio do nodo de matéria escura," diz Massimo Viola (Observatório de Leiden, Holanda), autor principal de um dos primeiros artigos científicos do KiDS.

"Esta previsão da teoria de formação de galáxias, que diz que as galáxias continuam a juntar-se em grupos e a concentrar-se nos seus centros, nunca tinha sido demonstrada anteriormente de modo observacional de forma tão clara," acrescenta Koen Kuijken.

Estes resultados são apenas o início de um programa principal que vai explorar bases de dados enormes obtidas pelos telescópios de rastreio, sendo que estes dados começam agora a ficar disponíveis a todos os cientistas do mundo através do arquivo do ESO.

O rastreio KiDS ajudará a aumentar o nosso conhecimento da matéria escura. Ser capaz de explicar a matéria escura e os seus efeitos representará um enorme avanço na física.

Fonte: http://www.ccvalg.pt/astronomia/noticias/2015/07/10_kids_materia_escura.htm

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...